Viçosa:31 3891-4518 | Ponte Nova:31 3819-5900

clinicaginecologica_va@yahoo.com.br

Blog

Amamentação em mulheres com mamoplastias: evidências atuais

Avalie este item
(0 votos)

As cirurgias mamárias têm sido elencadas como uma das causas associadas à interrupção precoce da amamentação pois podem alterar a integridade e funcionamento da mama, dependendo da técnica cirúrgica utilizada. Suas repercussões estão relacionadas à problemas na produção e ejeção láctea, estase láctea, ingurgitamento obstrutivo, mastite, abcesso mamário, além da insegurança materna para amamentar.

Com a evolução das tecnologias e das técnicas cirúrgicas, os procedimentos estéticos vêm crescendo no Brasil e no mundo. Pesquisa recente divulgada em 2018 pela International Society of Aesthetic Plastic Surgery (ISAPS), revela um aumento de 5,4%. O Brasil é o segundo país na realização de procedimentos estéticos, representando cerca de 2.267.405 entre procedimentos cirúrgicos e não cirúrgicos (9,7%). Dentre os procedimentos cirúrgicos, a mamoplastia de aumento, ocupa o primeiro lugar, com cerca de 1.841.098 procedimentos. Este ranking é confirmado pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, representando 18,8% dos procedimentos; já a mamoplastia redutora ocupa o quinto lugar, representando 9,9% das cirurgias.

Apesar do grande número de procedimentos realizados, a literatura é limitada quanto ao seu impacto na amamentação. Em relação à mamoplastia de aumento, as publicações dos últimos cinco anos mostram que as mulheres foram significativamente menos propensas a amamentar e a taxa de aleitamento materno exclusivo foi menor quando comparadas às mulheres sem cirurgia; os subgrupos com incisão Periareolar versus Inframamária não mostraram diferença estatística; e a dor e o maior escore de dor, a ocorrência de lesão e o uso dos galactagogos (oral e nasal) estiveram associados ao local de implantação, ao tamanho da prótese e ao tempo decorrido da cirurgia.

Em relação à mamoplastia redutora, última revisão sistemática realizada em 20177 concluiu que 72% das mulheres relataram a falta de apoio e incentivo como motivo predominante para não amamentar(cinco estudos); 55% das mulheres relataram leite insuficiente e 16% delas referiram relutância e falta de apoio para o insucesso na amamentação(sete estudos); a quantidade de tecido mamário removido e o ano da cirurgia parecem não ter tido impacto na taxa de amamentação bem-sucedida. Por outro lado, técnicas que mantêm intacta a coluna do parênquima sub-areolar da mama parecem proporcionar maior probabilidade de sucesso na amamentação.

Estudo qualitativo publicado em 2018 com mulheres que realizaram mamoplastia antes da maternidade concluiu que a maioria delas não conseguiu amamentar exclusivamente e teve uma experiência de amamentação complementar, realizando translactação e/ou a técnica sonda-dedo em quase todas as mamadas. Os esforços para iniciar e manter a amamentação exclusiva foram exaustivos e persistentes, predominando o aleitamento complementado. Questionamentos surgiram em relação à sua capacidade para exercer o papel materno na amamentação. Poucas mulheres foram informadas sobre os efeitos da mamoplastia, os riscos e as consequências sobre a amamentação quando da obtenção do consentimento informado para a realização da cirurgia.

Considerações finais e implicações para a prática

As mulheres optam pela mamoplastia ainda muito jovens, neste sentido ela precisam receber orientações sobre os possíveis efeitos, riscos e possíveis consequências para a amamentação. Uma vez realizadas, devem receber informações detalhadas da cirurgia, o local de abordagem, o nome da técnica proposta, volumes a serem implantados ou retirados, as estruturas anatômicas que serão manipuladas. Estas informações são importantes para pesquisas futuras que pretendem analisar de forma mais detalhada o seu impacto na amamentação.

As taxas reduzidas de aleitamento materno entre as mulheres expostas a mamoplastias, enfatizam a importância de identificá-las, apoiá-las e incentivá-las. Essas mulheres podem ter maior probabilidade de desistir da amamentação uma vez desafiadas por dificuldades na lactação, devido a expectativas anteriores e menor autoconfiança em atender às necessidades do bebê.

O consentimento informado para a realização de mamoplastias deve incluir dados baseados em evidências sobre os riscos relacionados ao AME. As propagandas de mamoplastia de aumento deveriam advertir quanto aos seus potenciais prejuízos à lactação. Estudos devem ser mais detalhados para possibilitar análises mais confiantes.

O profissional de saúde que atende essas mulheres deve ter presente a necessidade de uma assistência individualizada e aconselhamento seguro para todas as possibilidades, seja aleitamento materno exclusivo ou não.

Fonte: FEBRASGO

Compartilhar nas redes sociais:

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

Atendimento em Viçosa

ONDE ESTAMOS

R. Padre Serafim, 243, sala 603/605, Centro, Viçosa-MG

Telefone: (31) 3891-4518

Whatsapp: (31) 98365-7022

clinicaginecologica_va@yahoo.com.br

Atendimento em Ponte Nova

ONDE ESTAMOS

Av. Francisco Vieira Martins, 498 A, Palmeiras, Ponte Nova Nova-MG 

Telefone: (31) 3819-5900

Whatsapp: (31) 98496-7055

clinicaginecologica_va@yahoo.com.br

 

Escolha a Clínica onde deseja iniciar uma conversa no Whatsapp